Product Oversee

Duas métricas ágeis super importantes para PMs

Um PM que entende bem o fluxo de desenvolvimento consegue se planejar melhor

Imagem de destaque de Duas métricas ágeis super importantes para PMs

Duas métricas que os desenvolvedores mais usam para controlar o fluxo de desenvolvimento, principalmente quando eles usam kanban, são Throughput e Lead Time.

Throughput basicamente mede a quantidade de entregas num determinado espaço de tempo. Geralmente se usa quantidade de itens entregues por semana. A seguir exemplifico com um gráfico de throughput de um período do ano passado de uma das equipes de desenvolvimento de produto da Vindi.

Já o lead time é o tempo desde que se começou a despender esforço com um item até o momento que ele foi considerado pronto. Digo o momento em que se começou a gastar esforço, porque para algumas equipes esse momento pode ser no refinamento e em outras pode ser no momento em que de fato se começou a escrever código. Depende muito do que a equipe considera a coluna de input. A seguir também exemplifico com um gráfico de lead time de uma das equipes de desenvolvimento da Vindi no mesmo período do gráfico de throughput.

Agora vocês devem estar se perguntando "Mas Pablo, o que eu PM, tenho a ver com esses gráficos? Eles não são sobre o fluxo de desenvolvimento? Eu agora lá escrevo código para influenciar nessas métricas?". Pois bem, você como PM tem uma grande influência no fluxo de desenvolvimento e consequentemente na saúde dessas e outras métricas.

Quando decidimos por implementar alguma hipótese que validamos, no geral o que acontece é que escrevemos histórias de usuário e toda história carrega um grau de incerteza e complexidade. Incerteza porque pode ser algo totalmente novo ou o time ainda nunca mexeu nessa parte do sistema por exemplo. Complexidade porque toda história tem um esforço para ser desenvolvida, que pode ser desde muito grande até bem pequeno.

É exatamente por que as histórias sempre tem complexidade e incerteza que fazemos refinamento com os desenvolvedores. Cada um dos requisitos de negócio, vulgo critérios de aceite, que colocamos na história pode torná-la mais complexa e mais incerta e com isso aumentamos o risco de aumentar o lead time e diminuir o Throughput ou seja, a vazão do time. Mas qual o problema disso? Quando o nosso Lead Time é muito alto ou o nosso Throughput é baixo, é sinal de que estamos demorando muito para colocar algo em produção e consequentemente estamos demorando muito para aprender e gerar valor.

Se você analisar o gráfico de Lead Time acima, tivemos histórias ainda abertas com um tempo de esforço já próximo de 50 dias. Imagina 50 dias para aprender se o que você vai colocar em produção realmente vai validar suas hipóteses. O mesmo comportamento pode ser encontrado no gráfico de Throughput onde temos semanas sem entregas e consequentemente semanas sem aprendizado. Esse tipo de comportamento é muito prejudicial para o negócio, porque o mercado é muito acelerado e quanto mais demoramos para impactar o usuário, menos chance temos de impactar o negócio.

Toda vez que você identificar hiatos alguns gaps em um gráfico de Throughput ou Lead Time, procure entender se não foi por que a história ficou travada por alguma incerteza que passou despercebida ou se ela não foi devidamente quebrada e a complexidade estava muito alta. Procure garantir que nas próximas vezes o refinamento será mais efetivo. O refinamento é um dos momentos mais críticos de um fluxo de desenvolvimento de produto porque é nesse momento a maior chance de garantir que o risco está baixo e que a história passará pelo fluxo de desenvolvimento o mais "suave" possível. É responsabilidade do PM garantir um refinamento quase perfeito.

E você, como estão seus refinamentos? Volto numa próxima letter (já eu aqui conquistando o meu espaço nessa letter marota :D) para trazer dicas básicas e avançadas para você arrebentar nessa cerimônia tão importante.

Referências: