Product Oversee

A gestão de produto em momentos de crise

O importante é ainda olhar para a estratégia, mesmo que tenha que mudá-la

Imagem de destaque de A gestão de produto em momentos de crise

Quando escrito em chinês, a palavra crise compõe-se de dois caracteres: um representa perigo e o outro representa oportunidade. -- John Kennedy

Crises geram oportunidades porque são tempos extremos e atípicos. Uma crise como a que estamos passando no momento, tem a capacidade de mudar a maneira como interagimos em sociedade profundamente e com isso, novas necessidades surgem e outras desaparecem.

Novas necessidades, novos modelos de negócio, novas oportunidades. As empresas que forem capazes de se adaptar a esse novo cenário, que de fato conseguirem entender pra onde o mercado está indo, são as que vão conseguir sobreviver a essa crise.

A estratégia precisa estar bem definida

É nesse momento que é fundamental que a estratégia da empresa esteja bem definida e se preciso, mudar rapidamente para se adequar ao novo cenário. Vai ser preciso reduzir custos? As linhas de receita e os canais de distribuição mudaram? Os clientes e segmentos ainda serão os mesmos?

Sem um alinhamento estratégico claro, os times passam a trabalhar de forma independente, sem conexão e sincronia por um objetivo comum. Sem alinhamento, temos um estado de anarquia descontrolada, onde não há comunicação clara entre os times, e todos se direcionam por objetivos individuais. Essa busca por alcançar objetivos desconectados com o resto da empresa,, gera a execução de ideias e funcionalidades não adequados às necessidades do usuário, que consequentemente não impactarão o negócio da maneira que precisamos em um momento de crise.

Uma vez de posse da estratégia, o PM pode então ajustar suas prioridades, buscando entender qual ponto do produto ou até mesmo, quais novos produtos colocar no ar para atingir os objetivos.

Assuma riscos, mas valide o máximo possível

Sim, estamos no momento de assumir riscos. Mas mesmo assim, atirar para todos os lados não é a melhor solução. É a hora do PM ficar o mais próximo possível dos stakeholders para que juntos, eles entendam o que tem maior potencial de impactar o negócio positivamente.

As áreas do comercial, CS, atendimento e suporte técnico estão em interação constante com os usuários e tem dados do dia a dia para ajudar a entender o comportamento dos usuários em tempo real. Usar esses dados na conta da priorização e para validar hipóteses será fundamental nesses momentos de alta pressão e de mudanças rápidas.

Também é muito importante não deixar os processos de discovery de lado, mas é preciso adaptá-los para situação. No geral, se a empresa já tem uma cultura de experimentação, com ciclos de aprendizado curtos, a chance de ela sair na frente agora é maior, porque empresas com essa característica validam e invalidam hipóteses mais rapidamente, uma vez que colocam na mão dos usuários novos comportamentos e com isso entendem se estão no caminho certo. Lembre-se:a didática não muda em tempos de crise. Impacte o usuário e ele irá impactar o negócio, nessa ordem.

O mercado não será mais o mesmo

Por último e super importante: o PM tem a capacidade de entender para onde o mercado está indo. É momento de estudá-lo profundamente para entender as transformações que a crise está trazendo e tentar antecipar tendências.

Com os processos bem fluidos, você vai conseguir testar rapidamente as hipóteses que levantar nessas tendências. Ferramentas simples como uma pesquisa no Google Forms ou um protótipo de baixa fidelidade num PPT ou qualquer outra ferramenta de prototipação online (na Vindi usamos o Maze Design) podem rapidamente invalidar ideias ou gerar mais força para levá-las adiante. Dá pra fazer isso em questão de horas. Não tem desculpa!

Alinhamento constante, análise crítica do mercado e validação rápida de hipóteses são elementos chave num momento extremo de crise como esse. É hora de assumir riscos maiores para conseguir reposicionar o negócio e aproveitar novas oportunidades e o PM é parte fundamental nesse processo, mas não sozinho.

Como está na sua empresa? Conta pra gente os desafios de gestão de produto que estão enfrentando!